sábado, 20 de novembro de 2010

Sinto cinza

O primeiro amor a gente nunca esquece
E eu não lembro do meu
Hoje está uma tarde cinza e abafada
Eu amo as tardes cinzas
Odeio as abafadas

Ao som da depressão
Esperança não parece muito plausível
Mas é tão lindo
É quente
É um convite pra não se estar só
Ainda assim
Não pareço ter muita escolha

Diria, portanto, que é insano
insano viver tentando ser são
É tão dolorido questionar uma coisa dessas
Que, no final,
você fica insão

E viver é apenas um exercício dessa vil verdade
Acreditar no que não vê
Ver o que não acredita

Uns que antes eram tão fortes
Padecem com seus grandes murais de arrogancia
De repente
Caem

Dizem ser problemas pessoais...
É tudo lá dentro
É tudo lá fora
Por hora, é só uma tarde cinza e abafada
Você não sabe se ri
Você não sabe se chora.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Just doing it

Heróis
Imortais
Heróis
e mortais
E nós somos mortais

Fulmega
desfaz
e cheira
apodrece
Fulmega
e fede
e Fede
e Fede, mas alimenta
A terra que depreda
o bicho que mata
E esquece...

A natureza
A humanidade
Atrativa...
Atraente
Magnifica
Egoísta
Contundente...

Nem é o maior mal
Que é por si só o pior
O maior que existe
Nem por isso se faz, ainda
de fato
Sendo, quando é...

E eliminado
Quando minamos
E concluimos, por fim
Que de veras
Somos a praga
Que mata a mata
Enquanto se mata
E mata o mato
E o rato
E o gato
E tudo que anda
E tudo que arrasta
se orgulha do ato
e dá risada
e depois chora
e se afoga de mágoa
em sua própria falácia
e imunda as águas
E se mata e te mata
E sabe que, por fim
Nem devia existir
Mas teme o fim
Querendo sumir

O mal
O virus
O credo
Os descrédito
A cria revoltada
Que almaldiçoou seu criador
Que vingou-se de si mesmo
a si mesma
e nunca se vingou

Quem clama pra si
poder de um deus
Mas não é nada
É piada
e piada sem graça!
É gente cruel
Maltrando gente
maltratando bicho
maltratando tudo
Eu, você e o céu

Aqueles que sabem
Mas que fingem não saber
Que fingem não ser
Não como eles
Quando eles
São a razão

Nem eu
Nem você
Nem ninguém
Mas todos
Todos nós
e os nós
Todo eu
Todo E
Todo Você
Que sonha com o céu
Que sonha corcel
e vai morar no Hell
Hell... hell... hell...

Sometimes I think I'm saying something
that someone will someday understand
Sometimes
Sometimes you will hate me
But I'll hate you too
Because we all hate each other
And we all love this, as well
as we love everything too
including ourselves, and everyone
and it all like if...
you know,
like if it doesn't make any sense at all
We all love
o céu que pensamos ser nosso
a terra que pensamos ser nossa
we all love
com o mesmo papo hipocrita e egoísta
filosofia maniqueísta
Just doing it.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Olha só...

Olha só...
Continuo só
E a trizteza em meu olhar
Não quer mais se apagar

Me sinto como um estrangeiro
Em terra onde sou só mais um
um só, sozinho e perdido
e sem poder me expressar

Esse mal linguajar
Eu não sei o falar
E a lingua lá de onde vim
Ninguém pode decifrar

Nem adianta eu tentar
Ninguém pode escutar
E eu não entendo o que dizem
Não consigo entender

Olha só...
Continuo só
E a trizteza em meu olhar
Não quer mais se apagar

Continuo sem você
Continuo sem porquê
Continuo querendo dizer
Mas não pode me entender

Moça bonita,
ah como eu quis você
Joia mais linda,
estrela do amanhecer

Eu replicante,
nem sinais pude entender
Nem sinais eu sei fazer...

Desenhar pra você...
E eu não sei nem desenhar
Sei que posso rabiscar
Mas será que irá compreender?

Olha só...
Continuo só
E a trizteza em meu olhar
Não quer mais se apagar

Será que pode enxergar
O negro no fundo do mar
A pira a se apagar
E a felicidade escapar

Eu nem sei
Porquê que eu insisto, eu não sei
Queria me silenciar
Já que niguém pode escutar

Olha só...
Continuo só
E a trizteza em meu olhar
Não quer mais se apagar

Será que pode entender
O que passa em meu olhar?
Será preciso dizer?
Será que irá se importar?

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Persistência

Eu te constipo
Eu te controlo
Eu te elevo do nada

Eu devoro
Eu te conheço
Eu sou o teu espelho

Eu sou desejo
Eu sou libido
Eu sou o fim e o começo

Sou seu lado
animal
Eu sou seu mal e seu desejo

Eu te destruo
Eu te levanto
Eu não te deixo cair

Eu te preciso
Te consumo
Eu te faço existir

Sou a sua ira
Seu pecado
Sua mór ambição

Da ironia
À angústia
Sou sua oração.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Reflexões sobre dor

Lembra da madrugada que viras-tes conversando com um anjo?
Trocando idéia, trocando piadas, dando risadas, coisas que você não tinha feito ainda.
Quantas vezes você pôde repetir essa felicidade?
Parece que não existe mais
Nada disso, porquê foi tudo passageiro
Mas tudo é
Só fica o que somos capazes de segurar
Sob o eforço que for, se temos força, mantemos as coisas no lugar
Isso tudo partiu
E voltaram algumas ilusões e algumas paixões
E a conciência de que nada é eterno, como você viu acontecer com a garota do grunge
Que cansou, finalmente, de viver o inferno
Viveu viagens, experiência, ouro e baixos
E parece que seu maior desejo é ser levada a sério
Eu não sei nem como adimiro-a tanto...
Eu também sempre quis ser levado à sério
As coisas não tem dado muito certo
Até que conheci o anjo
E o anjo era humano e pecador
Ainda em sua imperfeição não deixou de me facinar
era a beleza da carne de um traidor
Sinto-me até culpado por julgar gente como se eu fosse doutor
Sinto um nojo profundo da minha carcaça, sinto ódio e sinto dor
E amor... que eu tanto quis...
Pra mim não há, nem devo merecer...
eu tenho a dor.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Egoísmo

Você não é amor
Você não é razão
Não é perfeição ou luz
Você é vontade
Você é combustivel
É presentinho
É agrado
Você não é tão agradavel
você é o impossível
Minha conquista
Minha festa
Minha minha
o bater do pé
a birrinha
o sarro e o choro
você é meu segredo,
minha mentira
A verdade egoísta
Você é a vontade do meu ego mimado.

Leonardo Misseno Justino

domingo, 19 de setembro de 2010

Realmente não aprendi nada, fora que não tem fim.

Aprendi quando devia desistir
Aprendi que devia entender
Aprendi e decidi
Não tento mais te fazer rir

Aprendi o que não devo fazer,
Aprendi que eu devo esquecer,
Aprendi o que não posso esquecer
e que eu não vou ter você

Aprendi que o egoismo faz parte,
que a mentira as vezes se torna verdade
Se nos deixarmos por ela enganar
aprendi que podemos nos machucar

Aprendi que não aprendi nada,
Aprendi que foi a pessoa errada,
Aprendi que outras pessoas te merecem mais
e que o drama não me leva a nada

Aprendi e refleti
Aprendi a me por no lugar e compreendi
O quão ingenuo fui,
Pois crucifiquei meu coração e me iludi

Perdão pelo que eu fiz
ou o que eu não fiz
Só que me perdi
e não posso mais cair

E se não faz diferença alguma as lições que aprendi
Queria de alguma forma conseguir mentir

Liberdade?

E,
mesmo assim,
nada aprendi

... não tem fim.

Original

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Vidas

O que você espera do dia?
Vida que se ilumina
Vida pequenina
Vida vazia

E aquela menina
Aquela sozinha
Vida contida
Vida tolhida

Minha rainha
Rainha da dança
Minha vidinha
E essa criança

Vida que por si é vivída
Vida no sentido cientifico
Vida bandida, vida mentira
Sentimento de gente perdida

Cabeças partidas
Mentes traidas
Razões aturdidas
Pela droga da vida

E os caras lá
ainda querem me vender
vida tão linda
Que nem parece vida.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Aquário

Então eu paro pra pensar...
Penso em ti como um imenso mar
Sem limites que se enxerguem
No horizonte do universo
Uma beleza secular

As coisas que já perdi por esperar
A mim mesmo quis desafiar
No passado ficou um desejo vulgar
Um peixe deprimido
Um peixe fora do mar

Antes eu quis ter mais que o mundo
Não fui perfeito, eu cobicei
Admito os meus erros
Mas por fim você está aqui
O importante é que vai me ouvir

Eu tento agradecer esta chance
A conquista de minha sonhada vida
Mas tanto te procuro sem achar
Porquê pareces me repelir, oh imenso mar

Vejo-te do outro lado a balançar
E essa barreira incompreensível nos separar
Eu queria confiar na vida
Mas nem em mim consigo mais.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Bobagens

Paisagens
Belas; Soturnas
Friamente coloridas
Perfeitas
Solitárias e pensativas
Paisagens pra passar a vida
Quadros de azul e lilás
Verde, cinza e luais
E águas, e agonias, e pardais
Chuva, vento, e auroras boreais
Cores duras
Luzes espaçosas
Aconchegantes noites frias
Ventania e chuvinha
E eu contigo
não vou te deixar sozinha
Uma, duas, todas as horas
Teu corpo no meu, teus lábios na boca
Podendo viver esta tarde
pela vida toda.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

O mel da carne da boca (pecado inestimável)

Tenho tempo o bastante
bibelôs e estiquetas na estante
mas não trazem presta vida prazer...

No mel da tua saliva
está o veneno dos encantos
nos quais eu quero morrer

Nas curvas da tua vida
as armadilhas e barrancos
Que, a minha, eu arriscaria pra corrrer

Na carne dos teus lábios
no teu seio e nos teus braços
moram meus maiores desejos

tomar,
domar
e esmurecer

o que já fui,
o que eu sou,
o que vou ser

Entre outras vaidades
Meu pecado inestimável
é você.

Sobre dor e consciencia

Anoiteceu e não há mais nada a fazer
as minhas vistas já não enchergam mais...
Quantas vezes foi preciso repetir?
(saiba) a dor é a prova do existir

Existir é lutar
Ser maior, muito mais
seja o que for...

Constelações nascem nos céus
Tão além e adoradas, são o fim
Luz e esperança que não se perdeu
a escência a se expandir no cosmos

Existir é lutar
Ser maior, muito mais
seja o que for...

Abra suas mãos, aceite a carta e diga por si
Quem é mais, quem é menos não se discute aqui
O pesadelo não será pressagio, o inicio é o fim
O desafio te fará sorrir

O som de passos surge do corredor
Entre as pedras e os barrancos vem o seu valor
Se apenas foi você dizer que não
Já valeu mais que entregar seu coração novamente

Abra suas mãos, aceite a carta e diga por si
Quem é mais, quem é menos não se discute aqui
O pesadelo não será pressagio, o inicio é o fim
O desafio te fará sorrir

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Infinito (Aline)

Essa chuva que vemos cair
A lua escondida, querendo surgir
E as fases, do nada à crescente
e da cheia ao sucumbir
Estas coisas me lembram de ti
Me lembram também as árvores
dos verdes que contigo eu vi
Pequenos lindos momentos que eu não esqueci
Desejos que ainda estão acesos em mim
Não de qualquer forma
Porém, mais do que crê
Querendo a tua boca
Desejando o teu corpo
Sensualidade de olhos pequeninos, vultos inocentes
águas de um mar que se conjunga à terra
Cores de uma manhã de paixão que se celebra
Crescente tal a lua desta noite de farpas anis
É o sentimento que sinto por ti
Que por mais que pareça sumir, no final se reNova
E reNova enquanto o sol existir
Acende... as chamas que dão vida à natureza
Enquanto estas gotas alimentam o verde dos pastos por onde vim
Enquanto molham meu rosto disfarçando a chuva que vem de mim
E exalam, espalham, fermentam na terra a vida
Das brilhantes estrelas do céu, ao mar no teu olhar
Da vida já não há maior certeza
Todo fim gera um começo
Todo começo terá seu fim.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Reflexão

O prodigio da vingança não se faz
Do princípio animal que satisfaz
Não trás agruras mas,
também, nem meritos ao capataz

Nada brilha se polido com sangue
Nada vale a conquista
se esculpido com carne de outrem

O valor de cada um se faz apenas
pelo amor que se dedica com sinceridade
Às causas mais simples
Nas causas pequenas

E da pequenisse à grandeza
O Homem faz seu valor
No pulsar das águas de suas artérias
no produto do calor de suas veias

Energia que explode em particulas
da graça criadora, pura e infinita
As montanhas, rios e trovões...
O deus dentro de cada porção de vida

Momentos grandes e pequenos
Civis em cidades ou montanhas de heremitas
Juntos ou partidos
Constroem suas próprias vias.

domingo, 22 de agosto de 2010

Porquê eu penso que só eu penso em você como eu penso

Se eu te pedisse "me procura",
seria a expressão da minha vontade
Mas se eu não te acho
a mensagem não te atinge!

O verbo precisava soar onipresente no globo
Mas espaço nenhum
nenhum espaço
não...
nada...
nada parece onipresente o bastante
e no nada
não ecoa nada
nem as palavras que quero que escute.

É como atirar pra não atingir o alvo,
chocar-se nos limites que me impõe a matéria,
o firmamento e a falta de imaginação
e estar preso e terminantemente podado de qualquer interjeição

E, diretamente,
de forma indireta,
barreiras interceptam meu projétil
Vejo-o enfraquecer e me relego à impotência
faço-me um cego que vê
e, de vez, nunca parecer ter partido daqui
aquilo que devia ter alvejado você...
Saudade e querer...
quando, por fim,
ricochetea em mim
angustia e desprazer.

sábado, 21 de agosto de 2010

Tá tudo errado

O momento que você percebe
o quão errado está
é quando você vê você
em fotos do passado
e sente que
se naquele momento
não fosse você
teria tudo dado certo
Perceber que queria fazer tudo diferente
Que se não fosse você
Estaria tudo muito melhor
saudades daquela cuca fresca daquele tempo
Mas perceber
Que se não fosse você
Perceberia que a cuca sempre foi a mesma
E nunca esteve pior.

(Aniversário de 11 anos... 10 anos atrás)

Parar de "mentir".

Desafio

Vamos trabalhar até tarde pra nos divertir
E receber baixos salários pra morrer de rir
Morrer de fome por prazer até quando conseguir
Rolar em rampas de gilete e num poço de álcool cair!
E tomar remédios até ficar malucos
Dançar sem sapatos sobre pregos afiados!
É isso ou eu me mudo...
Desafiar o mundo.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Voltando por aqui...

Voltando aqui em silêncio... porquê neste exato momento não estou afim de lembrar ninguém de que existo... Só decidi reviver este recanto de gritos, onde tento ser percebido. É...

O ultimo post que escrevi aqui foi no primeiro dia do ano e desde então até aniversário já fiz. Aconteceu bastante coisa desde então. Esse blog não passa de meu diário de desabafo, o que o torna bastante desinteressante - alvo pra piada de "pro-bloggers" - já que eu também nunca acho minha vida empolgante o bastante pra contar. Se eu fosse contar as coisas mais interessantes na minha vida, seriam meus fails. Na real eu sempre acho ela deprimentemente fail, então é como contar uma par de coisas que eu não queria que tivessem acontecido, e como as que eu queria que tivessem acontecido não aconteceram. Tudo vindo a tona. Não que tudo tenha dado errado, mas eu ainda sofro esse complexo de que não tenho nada empolgante pra contar, motivo maior do meu silêncio vital. Meu passado também é um tanto depressivo, então nem conto dele. Ai aderi ao twiiter, pequenos posts de 140 caracteres, que na verdade se multiplicam por vários onde conto algo sobre mim mais rapidamente que se viesse aqui no blog e com uma facilidade maior de acertar as pessoas, já que são textos curtos e diretos para pessoas desocupadas postando em tempo real, e não essa "massaroca exclusiva" que posto aqui! HAHA!

Sou de lua, então atualmente até no twitter tenho postado pouco... O twitter é mais facil, também, por causa que posto rapido e qualquer coisa quando a lua dá.

Eu acho que a minha vida viciou nessa amargura porquê não consigo escrever linhas mais alegres. O negocio é rir do que passou e continuar vivendo, tentando melhorar. Até dá vontade de fazer textos filosóficos sobre superação, como fiz dia primeiro... Mas que exemplo eu sou? Mas também... a vida é isso né? Constante busca por conforto que nunca existirá. Sempre idealizaremos mais, porquê senão a vida perde a graça. Se tivermos tudo. Claro, pelo menos podia dar certo com mais faciliddade. Acho que não quero é me esforçar... hehe

Por fim, acho que eu não mudei muito desde aqueles dias, desde o post super positivo do dia primeiro, desde o fim de ano comum de minha vida, sem grandes festas, sem encher a cara, sem amor da minha vida, sem grandes sonhos, sem nada que a gente tem por ai e não dá valor nenhum. Por fim, sem muita vida.

Gente... façam suas vidas ter vida.

Gravei no Gengibre hoje, pra quem puder ouvir. ^^

O Osíris/Vitor que me apresentou essa musica. Ouvi tanto ao ponto de me sentir tocado pela melancolia. Agora carrego versos dela na minha vida...

Adeus... mas não, ainda não é de manhã...
É só uma outra noite de sexta.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Experiências

Hoje é o utlimo dia do ano. O longo (ou curto), corrido (ou monotono) ano de 2009.

Para muitos, um ano cheio de sucesso. Ainda que não seja o seu caso, foi mais um ano que vencemos. Dois mil e nove ficará agora nas memórias, as quais carregam também muitas lições. Lições para que sejamos mais sábios daqui pra frente. Que o ano de 2010 seja um ano em que façamos glórias e que valha a pena toda a experiência vivida.

A pretenção não é de perfeição. Nunca foi. A pretenção é de esperança! Esperança de um futuro melhor, de amor, de paz e de sorte. De colaboratividade. Esse é o meu maior voto para um ano novo. O sucesso é um fenomeno de conjunto.

Sendo assim, reflitam sobre seu 2009 naquilo de bom que fizeram e o que não deve ser repetido. Abracem o bem. Dêem o seu melhor à todos. Remoer o passado é para os estacionários.

Levante a cabeça, erga-se e use o aprendizado que teve para obter alegria. Lembre-se do que te trouxe alegria. Use o que viveu a seu favor e, então, seja feliz.

Palavras de quem também quer aprender a ser feliz.
LMJ